quarta-feira, 7 de maio de 2008

Onde você comprou seu celular?

Onde você comprou o seu telefone celular? Provavelmente em uma das lojas da sua operadora, não foi? Nos Estados Unidos acontece o mesmo. No ano passado, 75 milhões de pessoas compraram seus aparelhos em lojas das próprias operadoras e apenas 5,5 milhões em lojas de eletrônicos.

Mas na medida em que mais e mais telefones estiverem sendo vendidos sem bloqueio e puderem ser habilitados em qualquer operadora, pode não fazer mais sentido para as companhias de telefonia celular possuir lojas próprias. A Sprint já anunciou em janeiro passado que fechará 8% das suas 1.500 lojas nos Estados Unidos.

Esta é uma grande oportunidade para as redes de eletrônicos. A Best Buy, que é a maior varejista de eletrônicos norte americana, com 900 lojas nos Estados Unidos, espera elevar sua participação no mercado de equipamentos móveis de 2% para um percentual de 2 dígitos nos próximos 5 anos.

Já se preparando para esse momento, a empresa lançou em 2006 a Best Buy Mobile, com 9 lojas piloto em Manhattan. Em 2 anos eles já passaram para 200 pontos de venda, a maior parte dentro de lojas já existentes da Best Buy. Até o final de 2008, cerca de 50 novas lojas Best Buy Mobile deverão ser abertas nos EUA.

Um comentário:

Emerson Oliveira disse...

Marinho, leio sempre as tuas colunas no Blue Bus e o teu blog, só que esse fenômeno dos EUA já acontece aqui faz tempo...

Trabalhei por mais de 5 anos em uma operadora celular na área de venda a varejo e te garanto que aqui no Brasil as lojas próprias + lojas exclusivas de terceiros (seja no formato "dealer" ou no formato "franchise") realmente fazem a maioria das vendas para as operadoras, mas apenas na modalidade Pós-Paga.

O verdadeiro volume (que representa 80% da base de telefones celulares do Brasil) é o de telefones pré-pagos. Os celulares pré-pagos são vendidos, majoritariamente, em redes de varejo como Casas Bahia, Ponto Frio, Magazine Luiza, Yamada e Ricardo Eletro. Há, ainda, a venda apenas do chip pré-pago, que começa a ser muito forte em bancas de jornal também.

Para saber mais, vale a pena visitar http://www2.dbd.puc-rio.br/pergamum/tesesabertas/0310622_06_cap_04.pdf (é um estudo de 2004, mas que ainda reflete o momento das operadoras de celular no varejo)

Abração