quarta-feira, 28 de maio de 2008

Novas fotos nos cigarros para aumentar a repulsa dos consumidores

Hoje o Brasil é uma referência internacional por causa de uma campanha de marketing feita justamente para inibir o consumo de cigarros. Uma das medidas tomadas pelo governo obriga os fabricantes a colocar no verso dos maços de cigarro fotos repulsivas, que mostram os males que o fumo pode causar. As primeiras imagens, usadas em 2002, atingiram em cheio o objetivo – uma pesquisa da época mostrou que 54% dos fumantes mudaram de opinião sobre os malefícios do cigarro e 67% pensaram pela primeira vez em parar de fumar.

Essa semana o Ministério da Saúde divulgou a nova coleção de fotos que serão estampadas nas embalagens de cigarros a partir do ano que vem. A novidade é que essas imagens foram escolhidas a partir de um estudo com jovens entre 18 e 24 anos, para medir a reação emocional provocada por cada cena. A pesquisa foi feita com jovens porque cerca de 90% dos fumantes começam a consumir cigarros antes dos 18 anos.

As novas fotos (foto acima) incluem um feto morto em um cinzeiro, o cadáver de uma pessoa morta por enfisema pulmonar, um pai no leito de morte, cercado pela mulher e pelo filho, um pé com dedos gangrenados e uma criança incomodada pela fumaça do cigarro enquanto almoça. A idéia é lembrar ostensivamente aos fumantes dos riscos que eles correm e aumentar a rejeição da sociedade ao hábito de fumar, que um dia, acredite, já foi considerado chique.

2 comentários:

christiana disse...

Eu já trabalhei em programas anti-tabagismo e, pessoalmente, sou contra esta abordagem, muito embora as pesquisas atestem sua aparente eficácia. Além do extremo mau gosto das imagens, temo que a repetição exaustiva dos "maus presságios" possa levar o inconsciente a se identificar com as doenças e mazelas apresentadas, o que aumentaria as chances do organismo adoecer (a neurolingüística e as teorias na linha da "lei da atração"/"o segredo" corroboram esta minha tese).
Felizmente eu parei de fumar há mais de 13 anos (portanto bem antes desse show de horrores) mas, se ainda fumasse, juro que pensaria seriamente em processar o Ministério da Saúde por lavagem cerebral (ou melhor seria dizer poluição cerebral).
Outra coisa que me incomoda é a diferença de tratamento entre o cigarro e a bebida, por exemplo. O álcool é uma droga que, além de causar doenças, ainda provoca acidentes e potencializa a violência, entre tantos outros prejuízos individuais e sociais. Por que as garrafas de bebida não trazem fotos de pessoas mutiladas em acidentes, estupradas ou assassinadas? Por que os anúncios de cerveja não mostram, ao invés das modelos boazudas, fotos de sujeitos pançudos, de olhos injetados, caídos no meio da rua?
Um discussão interessante sobre esse tema está no blog do Jayme Serva: http://www.ditoassim.blogger.com.br

Isabella disse...

sabe na vdd nunca tinha me interresado pelos malesdo cigarro,+ agora comecei a fezer um trabalho e vi q é muito intarresante esse assunto.To super intusiasmada com isso e estou vendo que realmente as coisa ta preta rsrs