sexta-feira, 16 de julho de 2010

Sacolas plásticas proibidas a partir de hoje no varejo fluminense

Começa a valer hoje no Rio de Janeiro a lei que proíbe o uso de sacolas plásticas pelo comércio do Estado. É isso mesmo - as lojas que descumprirem a lei podem levar multa de até R$ 20 mil. Fiscais da Secretaria do Ambiente vão visitar lojas e supermercados, inicialmente apenas para orientar varejistas e consumidores. Só numa segunda etapa as multas começarao a ser aplicadas.

A medida é polêmica. Os ambientalistas possuem um argumento forte - uma sacola plástica demora até 500 anos para se decompor. Entretanto, os fabricantes das sacolinhas contam com a simpatia da população, cuja maioria parece gostar dessa embalagem. Muitos inclusive reutilizam as sacolas para guardar lixo ou embalar coisas em casa. Nessa queda de braço, a indústria perde aqui e ganha acolá. Por exemplo, se de um lado o governador Sergio Cabral bancou a proibicao no Rio, de outro o prefeito Gilberto Kassab, no começo do ano vetou lei semelhante em Sao Paulo, aceitando as ponderacoes dos fabricantes de plástico.

O varejo, por sua vez, vai se adaptando. Redes internacionais, como Walmart e Carrefour, abraçam a ideia de trocar as sacolas descartáveis pelas reutilizáveis, enquanto supermercados locais fazem contas para descobrir quanto vão economizar sem as sacolas plasticas. Ao consumidor fluminense resta dar sua contribuição compulsória para a defesa do meio ambiente.

4 comentários:

Edmar Damasceno disse...

Olá Luis. Long time no see. É interessante como o foco se fixou nas sacolas de supermercados. Parece que ninguém nota que leva dentro dessas mesmas sacolas uma quantidade de plástico muito maior. Quase todos os produtos de um supermercado são embalados em plástico, ou algum outro material também não degradável: arroz, feijão, farinha, açúcar, sal, leite, carne, pão de forma, queijos e frios embalados localmente, tubo de pasta de dentes, biscoitos, requeijão em copo, etc, etc. Até mesmo os hortigranjeiros são embalados em sacos plásticos, oferecidos pelas empresas. Como você disse, as sacolas servem -ao menos- para embalar o lixo, substituindo os sacos plásticos fabricados especificamente para esse fim.
Por que os supermercados não oferecem sacos de papel kraft ,tão utilizados nos EUA?
Por que ninguém se preocupa em substituir as embalagens dos produtos acima citados por outras mais facilmente degradáveis.
São interesses ecológicos ou econômicos?

Ismael Paulo Santos disse...

Tem tudo pra dar certo! Isso pode gerar uma redução de despesa por parte do supermercado e economia para o cliente.

Mimirabolante disse...

Realmente,estamos focando tudo na sacola.....só que tudo na nossa vida atual é ensacada e pronto....só a sacola podemos recusar....e o resto?????

Julio Spínola disse...

OS FABRICANTES DE SACOS PLÁSTICOS DE LIXO E OS SUPERMERCADOS ESTÃO RINDO À TOA DE NÓS OTÁRIOS.
Os primeiros, porque venderão mais sacolas de lixo. Os supermercados, pela economia gerada e aumento no faturamento NÃO MAIS COMPRANDO SACOLAS PLÁSTICAS E AINDA VENDENDO SACOLAS DE PAPEL E SACOS DE LIXO.

MAIS TERRA DA AGRICULTURA OCUPADA COM EUCALIPTO PARA PRODUZIR SACOS DE PAPEL.
EM QUAL EMBALAGEM COLOCAREMOS O LIXO MOLHADO?
NA SACOLA DE PAPEL? NA CAIXA DE PAPELÃO?

MEUS PARABÉNS PELO GOLPE DE MARKETING.

Lembram-se do golpe " Buraco na Camada de Ozônio"?
Nos anos seguintes, cientistas declararam que o Pinatubo despejou mais cloro e flúor em um ano do que toda a industria de geladeiras em em toda sua história.