quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Para fugir da crise, e-commerce americano mira nos consumidores brasileiros

A crise vai continuar castigando o varejo dos Estados Unidos. Estimativas divulgadas pela National Retail Federation projetam para este primeiro semestre vendas 2% piores do que em 2008, que já foi um ano bem ruim. O curioso é quem pode acabar pagando parte dessa conta são os comerciantes brasileiros. Um estudo realizado no final do ano passado pela MindWare Research mostrou que muitos varejistas americanos tentam compensar as perdas locais estimulando as vendas para outros países por meio do comércio eletrônico.

A pesquisa revelou que em 2008 cada uma das 400 empresas americanas entrevistadas fez vendas pela internet para 9 países estrangeiros, especialmente os emergentes, onde a crise não chegou com tanta força. Você certamente já adivinhou que o Brasil é um desses países. Nada menos que 55% dos varejistas pesquisados tem entre seus clientes consumidores brasileiros. Os preços muito baixos praticados hoje pelos lojistas americanos e a facilidade de pagar com cartões de crédito internacionais tem atraído muita gente aqui e animado os comerciantes de lá, que devem intensificar o ataque ao mercado brasileiro em 2009.

Por isso é bom os nossos varejistas colocarem as barbas de molho. Eles precisam caprichar ainda mais na operação e afinar a pontaria para não perder clientes para concorrentes do lado de cima do continente.

Um comentário:

Roger Sabbag disse...

E a carga tributária varejista continua inviabilizando a cada dia o crescimento adequado, invertendo as tendências, mesmo em um momento de crise mais forte lá fora.